terça-feira, 14 de junho de 2011

O QUE É O MOVIMENTO VINEYARD (VIDEIRA) QUE SURGIU NOS ESTADOS UNIDOS NA DÉCADA DE 80?

O Movimento Vineyard é uma organização carismática, que resultou em um movimento para-pentecostal, também reconhecido pelos nomes: "terceira onda", "teologia do poder," e "movimento dos sinais e das maravilhas” e que chegou ao Brasil nesta última década. Esse movimento teve suas raízes no início dos anos 70. Por volta de 1974, um pastor chamado Kenn Gullikson começou a crescer com ele e acabou formando uma igreja em Beverly Hills, Califórnia - EUA. A igreja se reunia em ginásios, na praia e em lares, sendo que um terço de seus membros eram judeus. Muitos casais saíram e formaram outras igrejas. Em 1982, John Wimber e outros pastores trouxeram suas igrejas para fazer parte da Vineyard. O pastor John Wimber formou cinco igrejas e tinha como objetivo inicial formar 2.000 igrejas até o ano 2000. Até nos parece que já ouvimos essa mesma proposta por outro pastor dissedente da Igreja Assembléia de Deus! Atualmente, a Associação de Igrejas Vineyard, tem mais de 1.500 igrejas ao redor do mundo.


O objetivo declarado do movimento Vineyard foi a de combinar o melhor do pensamento evangélico com as práticas pentecostais, o que em si não é nada ruim. Porém, há certos aspectos dos ensinamentos do Movimento Vineyard que são, no mínimo, suspeitos, se é que inteiramente não bíblicos. Os membros do Movimento Vineyard dependem da "experiência com Deus" ao invés de seguir a Bíblia como o padrão de fé e prática. Aí está um grande engano e devido a isso, eles ensinam que se o que fazem “funciona” de forma pragmática, então só pode ser de Deus. Além disso, o Movimento Vineyard promove diversas práticas que têm mais em comum com o ocultismo e o movimento da Nova Era que com o cristianismo bíblico. Algumas igrejas do Movimento Vineyard são conhecidas pela "cura interior" através do contato com espíritos familiares, das leituras de aura e dos programas psicológicos.

O Movimento Vineyard tende a promover certos dons espirituais como curar, expulsar demônios e amarrar a satanás, como os dons mais desejados. É interessante perceber que em contraste a tudo isso, o imperativo de Paulo é que devemos parar de desejar os dons que são "vistosos" para aprendermos um caminho mais excelente, o caminho do amor. O amor, como Paulo explica que o amor não é sofredor, não é invejoso, não trata com leviandade e nem se ensoberbece. (Leia 1 Coríntios 13:4-11). No entanto, o Movimento Vineyard promove exatamente essas coisas, encorajando os cristãos a pensarem que são maiores do que os outros em virtude dos sinais e milagres que eles acreditam possuírem.

Os adeptos do Movimento Vineyard também praticam o chamado "evangelismo de poder", afirmando que é o evangelho apresentado ao incrédulo com (uma distorção adicional): uma demonstração da presença de Deus através dos "sinais e das maravilhas" através de curas e outros milagres. Pregar o evangelho é uma coisa, os milagres, disse Jesus, certamente seguiriam aqueles que cressem, porém não se pode distorcer o texto bíblico.

A meta inicial do Movimento Vineyard, para combinar a teologia evangélica sólida com expressões pentecostais do Espírito Santo certamente era admirável. No entanto, essa não é a direção que o Movimento Vineyard, na sua maior parte, tem seguido. O Movimento Vineyard cada vez mais enfatiza os dons milagrosos do Espírito e não enfatiza a necessidade de usar os dons do Espírito, assim como a Bíblia nos instrui. O Movimento Vineyard no seu objetivo de "permitir que o Espírito se mova de formas que não esperamos", tem consentido que doutrinas estranhas e falsas práticas se infiltrem nos seus escalões, coisas que o Espírito Santo de Deus se opõe diametralmente.

Contudo, por enquanto, o Movimento Vineyard não deve ser considerado uma seita. Pelo contrário, o Movimento Vineyard é um exemplo do que acontece quando os seguidores de Cristo têm bons motivos, mas falta o compromisso de subjulgar todas as coisas debaixo da esclarecedora e iluminadora Palavra de Deus.

Publicado aqui por Éber Stevão

4 comentários:

  1. após ter tido duas experiencia n muito agradavel com a videira eu e meu marido iniciamos uma investigação para saber s tem alguma coisa d errado nesse movimento. lemos sua esposição é queriamos saber mais a respeito, pois eu creio q td movimento tem d investir naqueles n salvos e n querer aliar com ministerios ja estruturados ou pescar membros ja firmados;obrigada por aliviar um pouco meu coração,pois n quero pecar contra o Altissimo dizendo q uma coisa n é d Deus o sendo . shalon

    ResponderExcluir
  2. Que fique claro que o movimento "Vineyard" nada tem a ver com as igrejas Videira com sede em Goiânia-GO. Apesar da confusão de nomes (devido a tradução) as origens são diferentes.

    ResponderExcluir
  3. "Visão: Anunciar, com palavras e ações, o amor transformador de Deus.

    Missão: Viver a simplicidade do Evangelho, como discípulos de Cristo, servindo a comunidade, integrando pessoas a igreja local e treinando-as para fazer novos discípulos.

    Nós cremos:
    Na suprema autoridade da Bíblia como palavra de Deus;
    Na majestade de Jesus Cristo sobre nós;
    No Senhorio do Espírito Santo;
    Na necessidade de uma conversão pessoal a Deus e não a uma igreja específica;
    Na prioridade de proclamar as Boas Novas de que Deus ama o mundo e quer salvá-lo;
    Na importância de que cristãos vivam em comunhão, conectados a uma igreja local e a sua comunidade, sempre dispostos a serví-la.

    Nossas ênfases:
    Ensino bíblico claro e relevante
    Adoração exclusiva à Deus
    Serviço Comunitário
    Comunhão
    Missão"
    Essa é a Vineyard que eu conheço e faço parte

    ResponderExcluir
  4. As igrejas Vineyard no Brasil são bem diferentes às do início do movimento, que de fato eram marcadas por essas "viajadas". Bem, visite as igrejas de Piratininga, Central do RJ, Mogi etc.. Vocês vão ver que estarão em um local preocupado em difundir o Reino de Deus e aplicar as instruções de Jesus.

    ResponderExcluir