segunda-feira, 1 de junho de 2009

FALSOS PROFETAS ENGANANDO A MUITOS - Parte II

Essa é uma meditação um pouco mais extensa, pesada, mas peço encarecidamente que a leiam e prestem muita atenção. Caso sintam vontade de enviar para outras pessoas do seu relacionamento, por favor, assim o façam.

Texto: “existirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos.” (Mateus 24:11)

Esta é a segunda de uma série de duas palavras proféticas para os dias finais em que estamos vivendo. Uma delas já foi escrita, Falsos Profetas Enganando a Muitos – Parte I, e foi direcionada para os líderes das igrejas evangélicas/protestantes. Essa segunda, é direcionada aos líderes das igrejas católicas. Esse é um alerta para a Igreja do Senhor Jesus Cristo, a fim de que ela se una no Brasil.



O Senhor Jesus Cristo ama os católicos(as). Desta forma, essas palavras não são dirigidas aqueles(as) irmãos/irmãs católicos(as), que não adoram imagens de escultura feitas por mãos de homens, que têm ao Senhor Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor pessoal, e que obedecem a sua Palavra, pois “Se alguém me ama, obedecerá à minha palavra. Meu Pai o amará, nós viremos a ele e faremos morada nele. Aquele que não me ama não obedece às minhas palavras.” (João 14:23)


Vamos, primeiramente, a alguns pontos históricos.

O teólogo germânico Adolph Harnack, no seu livro “A Essência da Cristandade” diz assim: “A Igreja de Roma... colocou-se no lugar do Império Romano que dominava o mundo, do qual ainda é a sua continuação atual... O papa, que denomina-se a si mesmo ‘Rei’ e ‘Pontifex Maximus’, é o sucessor de Caesar”. Essa é a única igreja que exerce ambos poderes, político e religioso, tendo um líder, embaixadores e influência política.

A igreja reinou por 1260 anos começando quando o imperador Justiniano, em 533, reconheceu a supremacia eclesiástica do papa como o cabeça de todas as igrejas dos territórios ocidentais e orientais do Império Romano.


Contudo, foi somente em 538 A.D., quando o papado foi efetivamente liberto do seu último oponente ariano, os Ostrogodos, que o igreja surgiu como a principal figura política do Ocidente.
A Igreja Católica Romana recebeu seu golpe em 1798, quando Napoleão mandou prender o papa Pio VI na França. “Em 1798, o General Berthier entrou em Roma, aboliu o governo papal e estabeleceu um governo secular.” (Enciclopédia Britânica, edição de 1941)

Com o passar dos anos, o poder subiu na cabeça da liderança dessa igreja, governando com brutalidade, sendo que “Devemos classificar a Inquisição… como uma das manchas mais negras dos registros da humanidade.” (Will Durant, The Story of Civilization, vol. 4, 1997. p.78)

Durante a Idade Média, a Igreja Católica Romana exerceu forte influência na Europa, e todos os cidadãos eram obrigados a serem católicos romanos. Qualquer comportamento que não representasse total submissão ao papa era punido com a tortura ou a morte. Isso levou o sistema católico romano a se tornar uma das religiões mais perseguidoras que o mundo já conheceu, segundo Vicars of Christ: the Dark Side of the Papacy, de Peter de Rosa, p. 180, 1989.

À medida que aumentava o poder do pontificado, esse poder subjugava não só os seus seguidores, mas também governos e reis da Europa. Com esse fim, os papas emitiram várias encíclicas para fortalecer sua autoridade sobre os reis da Europa: “É a função do pontificado pisotear reis e imperadores.” (J.J. Ignaz Döllinger, The Pope and the Council, The Columbia Encyclopedia, 6a. ed., 2001. p. 35)

“O medo e, em seguida, a fúria e os trovões de nossa vingança; porque Jesus Cristo designou a nós [os papas] com sua própria boca como juízes absolutos de todos os homens; e os próprios reis estão subordinados à nossa autoridade.” (Papa Nicolau I 858-867 d.C.).

Wow, forte essa! Não me lembro de Jesus Cristo ter falado isso com sua própria boca. Jesus Cristo disse: “Tu és Pedro, e sobre esta (EU MESMO, JESUS CRISTO) pedra edificarei a minha igreja.” (Mateus 16:18a ênfase minha). Desse texto bíblico totalmente distorcido, deturpardo, corrompido, surge a afronta diabólica de satanás, para enganar a muitos, dizendo que Pedro foi o primeiro papa. Iremos explanar mais detalhadamente sobre isso mais abaixo.

Mateus 16:15-19 revela-nos que o Senhor estabeleceria a Sua Igreja, como assim o fez. Mas não sobre Pedro ou qualquer outro apóstolo. Quando perguntou aos discípulos quem era Ele, Pedro, inspirado pelo Espírito Santo afirmou: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo.” (Mateus 16:16)

A Pedra sobre a qual o Senhor edificaria a Sua Igreja era a afirmação de Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo.” (Mateus 16:16b). Se houver dúvidas quanto a isto, deveríamos perguntar: Ô Pedro, quem é a Pedra afinal? “E, chegando-vos para Ele, PEDRA VIVA, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa. Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual… Eis que ponho em Sião a PEDRA principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas para os rebeldes, a PEDRA que os edificadores reprovaram essa foi a principal da esquina: e uma PEDRA de tropeço e Rocha de escândalo, para aqueles que tropeçam na Palavra.” (1 Pedro 2:4-8, ênfase minha) Deste modo, é evidente que Pedro refere-se a Cristo.

Outro texto também não deixa dúvidas quanto a isto: “Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que JESUS CRISTO É A PRINCIPAL PEDRA DA ESQUINA; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor.” (Efésios 2:20-21, ênfase minha)

Caso esteja lendo esses versículos na Bíblia Ave Maria, verá o subtítulo que foi acrescentado dizendo: “Cristo é a Pedra Angular”, referindo-se a Efésios 2.20a: “Jesus Cristo é a principal pedra da esquina”. Por que os católicos não são ensinados sobre isso, hein padres? Por que são mentirosos como satanás é?

Em Mateus 21:42 está escrito: “Diz-lhes Jesus: Nunca lestes nas escrituras: a pedra que os edificadores rejeitaram, essa foi posta por cabeça do ângulo.” Nesse texto de Mateus, Jesus cita Salmo 118:22-23.


“De todos os pais que interpretaram estas passagens nos Evangelhos (Mateus 16.18; Joao 21.17), nem um só as aplica aos bispos romanos como sucessores de Pedro… Nenhum deles explicou a rocha ou fundamento sobre a qual Cristo iria construir Sua Igreja como sendo o oficio dado a Pedro para ser transmitido aos seus sucessores, mas eles entendiam que se tratava ou do próprio Cristo, ou da confissão de fé de Pedro em Cristo; com freqüência ambas eram aceitas.” (Texto do historiador católico romano chamado J.J. Ignaz von Döllinger, The Pope and The Council, 1869. pg.74)

Mas, vamos adiante na nossa descrição histórica.

Um longo artigo encontrado na Enciclopédia Católica, vol. 12, página 266, descreve a autoridade da Igreja Católica Romana ao punir "hereges", cujo único crime fora o de serem fiéis cristãos que acreditavam na Bíblia. Essa mesma Bíblia que eu e você (acho eu), meu irmão católico, cremos hoje.

É dito que “Por professarem fé contrária à Igreja de Roma, a história registra o martírio de mais de cem milhões de pessoas.” E “Que a Igreja de Roma derramou mais sangue inocente do que qualquer outra instituição que tenha existido na humanidade não será colocado em dúvida por nenhum protestante que possua bons conhecimentos de história. É impossível formar uma idéia completa do enorme número de vítimas, e é quase certo não existir poder de imaginação capaz de compreender adequadamente o seu sofrimento.” (W. E. H. Leeky , History of the Rise and Influence of the Spirit of Rationalism in Europe, vol. 2:32, ed. 1910). Pelo visto, Hitler foi “fichinha” perto do massacre da Igreja Romana. Ou é o mesmo satanás matando, só que disfarçado com capa diferente?

Fui procurar e descobri que a Bíblia católica diz claramente: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça.” (I João 1:9) Não está escrito: “Se confessarmos ao pastor, padre ou papa os nossos pecados...”. Portanto, essa igreja PRECISA pedir perdão a Deus pelo sangue inocente derramado, confessando seus pecados. Houve um pedido de perdão pelo papa João Paulo II, mas a arrogância não deixou os corações dos padres, papas e muito menos da igreja católica.

Católicos bem informados prontamente confirmam a falsidade como um meio de vida dos papas. Hans Kung, teólogo e padre católico, que atuou como consultor no Concílio Vaticano II (1962-1965), afirmou que, no início do século V, os papas “expandiram decisivamente seus poderes com falsidades explícitas” (Hans Kung, The Catholic Church: A Short History, 2003. p.61). Um dos melhores exemplos dessas falsificações é o documento Doação de Constantino, de 30 de março de 315 d.C., que a Igreja Católica Romana falsificou para expandir seu poder e autoridade. Com esse documento falso, no século VIII o papa Estêvão III convenceu Pepino, rei dos francos, de que os territórios dos lombardos foram doados por Constantino à Igreja Católica Romana. Isso levou Pepino a lutar contra os lombardos e a usurpar as cidades para o papa. Em 1440, um assistente do papa, chamado Lorenzo Valla, provou que o documento foi forjado; apesar disso, nenhum papa depois disto admitiu nem confessou a falsificação. Até hoje, existe uma inscrição no batistério de São João Latrão, em Roma, perpetuando o falso documento.

Na encíclica do papa Gregório XI, de 1372 d.C., intitulada In Coena Domini, o papa anunciou o domínio do pontificado sobre todo o mundo cristão, secular e religioso, e excomungou todos que não obedeceram aos papas e não lhes pagaram tributos. A encíclica foi confirmada pelos papas seguintes e, em 1568 d.C., o papa Pio V jurou que ela permaneceria como uma lei eterna. Uma demonstração prática da afirmativa acima foi o tratamento que o papa Gregório VII dispensou ao rei Henrique IV, imperador da Alemanha, em 1077 d.C. Quando o rei pareceu indiferente à autoridade do papa, este o excomungou e destronou. Decidido a fazer as pazes com o papa, Henrique atravessou os Alpes em pleno inverno como prova de humildade. Ao chegar ao castelo do papa, Henrique teve que aguardar permissão para ver o papa no pátio ao ar livre, descalço, com a cabeça descoberta e em trajes miseráveis. O rei precisou jejuar e confessar-se por três dias até o papa conceder-lhe o perdão.

Vejamos algo interessante. “CIDADE DO VATICANO (AP) - O papa João Paulo II anunciou, na quinta-feira do Ano Novo, uma nova convocação para… a criação de uma nova ordem mundial baseada no respeito à dignidade do homem e à igualdade entre as nações.” (Publicado quinta-feira, 1º. de janeiro de 2004: 9:21 AM (1421 GMT). O interessante é que William Cooper afirma que “A característica principal de todo o sistema do Anticristo - a Nova Ordem Mundial - é uma impostura evidente. De fato, os autores da Nova Ordem Mundial se vangloriam de suas imposturas planejadas, por acreditarem, de forma arrogante, que a grande maioria da população global seja tola e preguiçosa demais para saber o que é melhor para suas vidas. Apenas aqueles que planejaram a Nova Ordem Mundial sabem o que é melhor para o mundo e determinaram que podem alcançar seus objetivos apenas com imposturas intencionais contra as massas pobres.” (Behold a Pale Horse”, 1991. p.49).

Até hoje, 2009, essa pretensão de supremacia sobre os líderes mundiais continua sendo defendida pelo pontificado: “A Sé Suprema [o pontificado de Roma] não é julgada por ninguém. É direito do próprio Pontífice Romano julgar sozinho… aqueles que ocupam os mais altos postos civis de um Estado… Não existe apelação nem recurso a decisões ou decretos do Pontífice Romano.” (The Code of Canon Law, Paulist Press, 1985. pp. 951, 271)

Ah, não é julgado por ninguém? Onde está escrito isso na Bíblia católica? Quem deu esse poder ao Pontífice Romano (papa) julgar sozinho? Por acaso ele é Jesus Cristo? Jesus Cristo disse: “Não julgueis para não serdes julgados” (Mateus 7:1). Pontífice, hoje você está sendo expondo, pois ousa julgar aos outros e coloca-se na posição de Deus. Essa arrogância é diabólica, de satanás, aquela mesma que o fez cair dos céus. Você não cumpre a palavra de Deus, tomando a postura de julgar aos outros. Este, obviamente, não é seu julgamento, mas sofrerá um final!

Estou resoluto, mais do que nunca, em defender a verdade e expor a mentira, inspirado em Judas 1:3-4: “Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos. Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo.” (Ênfase minha) Engraçado, não consigo ler nesse último versículo nada a respeito do papa ser o único dominador!

Em segundo lugar, vejamos algumas citações da liderança da igreja católica que são, no mínimo, bizarras:

“De fato, não é exagero afirmar que, como resultado do caráter sublime de sua função, os padres são como deuses.” Papa Inocêncio III.

Aqui caberia uma pergunta: deuses ou demônios? Não se ofenda, mas não existem outros deuses ou deus. Só existe um Deus, o que passa disso, são demônios. Quem quis ser igual a Deus todos sabemos, satanás. A Bíblia diz em Tiago 2:19 “Crês tu que Deus é um só? Fazes bem; os demônios também o crêem, e estremecem.”

“Ocupamos aqui na terra o lugar de Deus Todo-Poderoso.” (Papa Leão XIII, em sua encíclica de 20 de junho de 1894)

Isso é blasfemar contra Deus! ACORDEM, se arrependam, peçam perdão enquanto é tempo. O Senhor Jesus Cristo pode e quer lhes perdoar!

“O papa é não só o representante de Jesus Cristo, mas também é Jesus Cristo, oculto por um véu de carne.” (The Catholic National, julho de 1895)

Quem se diz Jesus Cristo, só pode ser o próprio Anticristo ou tem o espírito dele. Não se deixem enganar, meus irmãos e minhas irmãs católicos(as)!

“Mas o supremo mestre da Igreja é o Pontífice Romano… [que] requer… completa submissão e obediência da vontade… como a Deus em pessoa.” (Papa Leão XIII, Great Encyclical Letters, p. 193).

Creio que já li a Bíblia inteira 7 vezes, e na minha Bíblia, nada é dito sobre o papa ser Deus. Será que pulei alguma parte? Algum irmão católico poderia me mostrar na sua Bíblia onde isso está explicitado?

A consituição dogmática denominada Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II (1964), diz que a única Igreja de Cristo "subsiste" na Igreja Católica.

"Cristo constituiu sobre a terra uma única Igreja e instituiu-a como grupo visível e comunidade espiritual, que desde a sua origem e no curso da história sempre existe e existirá. (...) Esta Igreja, como sociedade constituída e organizada neste mundo, subsiste na Igreja Católica, governada pelo sucessor de Pedro e pelos bispos em comunhão com ele."

Não é um pouco de arrogância assim afirmar, uma vez que a Bíblia católica nada fala a esse respeito? Penso eu que a Bíblia católica é o livro sagrado máximo dessa fé cristã ou agora um documento eclesial está acima da Bíblia? Como os padres caíram tão rápido da graça? “Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho, o qual não é outro; senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema. Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.” (Gálatas 1:6-9)

Em agosto/setembro de 2007, em documento da Congregação para a Doutrina da Fé, o atual papa Ratzinger reafirmou que a Igreja Católica é a "única verdadeira" e a "única que salva".

Puxa, que interessante, eu achava que os padres, “representantes de Jesus na terra”, professassem uma fé cristã, crendo que Jesus Cristo é o único que salva, uma vez que Ele mesmo falou: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14:6), pois “Eu sou a ressureição e a vida; quem crer em mim, ainda que esteja morto viverá” (João 11:25). Fiquei confuso agora, já não sei mais o que eles seguem, se a Bíblia ou seus mirabolantes devaneios mentais!

Ora, se seguem a Bíblia, por que não professam o que lá está escrito? Mas, se preferem ser orientados pelas próprias palavras humanas ou doutrinas de demônios (“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência.” 1 Timóteo 4:1-2), por que enganam o rebanho de Cristo, não falando a verdade? Então, que afirmem seguirem um outro “evangelho” e deixem de ser cristãos!

“E o próprio Deus está obrigado a aceitar o julgamento de seus padres e perdoar ou não perdoar, conforme neguem a conceder absolvição, a menos que a penitência possa assegurá-la.”Dignity and Duties of the Priest, p. 27, New York: Benziger Brothers, editores da Santa Sé Apostólica, 1888.

Desculpe, mas essa passou dos limites! Não dá! Vou parar por aqui, pois meu cerebelo, centro controlador do vômito, já está totalmente afetado, causando-me náuseas.

E se alguém me disser: "Éber, não fica bem falar contra outra religião, seja mais ameno." Tolice sua. Não serei amigo da mentira e nem compactuarei com ela. Segundo, não estou agredindo o catolicismo, estou expondo a satanás ali infiltrado. E meu irmão, não se deixe levar pela conversa mole e fiada do diabo, pois se alguém quer se abraçar e ficar enamorado dele, tudo bem, mais eu não. É hora de você se posicionar, pois "não existe zona neutra - nenhum terreno seguro para os que não assumiram o compromisso nesta guerra. A batalha pela verdade está rugindo" disse Albert Moller Jr. Saiba disso, a verdade não é maleável!

Povo de Deus, escolhidos do Senhor, católicos(as) fervorosos(as), cheios(as) do Espírito de Deus, leiam a Palavra de Deus e obedecem o que ela diz. Obedeçam a Jesus Cristo. Não sejam enganados(as) por falsos líderes, falsos profetas que os(as) levam para fora do redil do Cristo. Somos rebanho do mesmo PASTOR, que é o Senhor Cristo Jesus. “Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido.” (João 10:14)

Satanás, em nome do Senhor Jesus Cristo que é o todo-poderoso, saia do meio da igreja professante de Cristo! Mas se aí for seu trono, então saiam vocês padres e católicos, do meio onde está o trono desse bicho sujo! Ainda há tempo! Essa é a última hora, quem tem ouvidos para ouvir, ouça o que o Espírito Santo diz às igrejas. Amém e amém.

É isso aí. Fique na paz do Amado.

Escrito e publicado aqui por Éber Stevao


Nenhum comentário:

Postar um comentário