quinta-feira, 28 de maio de 2009

SANTA CEIA: AFINAL, ELA É DE QUEM?

A verdade tem de ser dita, custe o que custar. Mais uma verdade precisa ser apregoada com amor às ovelhas de Cristo, mas como um alerta claro para os pastores e líderes das igrejas evangélicas: “Parem de fazer da santa ceia de Jesus Cristo, um momento para apregoar a sua santidade pessoal. A ceia é do Senhor e não sua ou da sua igreja. A ceia de Jesus não lhes pertence, mas sim, às ovelhas do Cristo vivo!”

A respeito da santa ceia que é um pedido que o Senhor Jesus nos faz para que pratiquemos o cear juntos com outras pessoas. Tenho por certo que ela tem um fim na comunhão contínua com Ele, e não uns com os outros, através do relembrar da sua tão grande doação. Não quero afirmar categoricamente que é um mandamento de Cristo, porque as palavras que aparecem no texto bíblico não foram “Eu vos ordeno” ou “Eu vos mando”, mas ao invés disso, diz duas vezes “fazei isto” e uma apenas “todas as vezes”. No primeiro termo, temos uma voz de comando com conotação de mandamento. A segunda expressão, nos dá a entender que essa conduta seria realizada várias vezes.

Mas para que não me julguem erroneamente, e antes que o façam, independente de ser um mandamento claro ou pedido de Jesus Cristo, quero obedecer a ambos com o maior prazer, pois foi o meu amado Mestre quem disse para fazer em memória dEle. Portanto, entendo que a ceia deve ser celebrada regularmente.

As igrejas que são legalistas, e no meio evangélico há muitas delas, que preferem seguir a Lei Mosaica misturada com a Graça, ao invés de viverem somente na Graça, são as que mais impõem restrições no culto com ceia.

Existem igrejas que celebram a ceia no primeiro domingo do mês, outras no segundo, e ainda outras no último domingo de cada mês. Tudo bem quanto a isso. Que cada igreja determine a data que melhor lhe convier, pois Jesus não mandou que fosse em uma data específica.

A forma de cear, se é com vinho ou suco natural de uva, copinho de vidro ou de plástico, pedacinhos de pão francês ou bolinho minuto, tanto faz, pois o importante é ter os dois elementos, líquido e o sólido, vinho e pão, que simbolizam o sangue de Cristo vertido na cruz do calvário e o seu corpo que foi machucado - porque nenhum dos seus ossos foi quebrado, conforme profecia bíblica de Salmo 34:21 - por nós.

De forma alguma creio na transubstanciação, pois isso é doutrina de demônios! Infelizmente ensinada na igreja católica. Que triste, pois é uma mentira satânica e os fiéis estão crendo nessa bobagem ensinada pelos padres! Ninguém come pedacinho do corpo de Cristo ou bebe o sangue dEle na hora da ceia, pois não somos canibais nem morcegos. Muito menos aceito a consubstanciação, pois Jesus não está presente naqueles elementos, misturados a eles. A ceia é apenas um símbolo do sacrifício de Cristo que Ele mesmo nos pediu “fazei isto em memória de mim”. Para relembrarmos sempre; só isso.

Dois textos são empregados para a celebração da ceia. A Bíblia diz em Mateus 26:26-28 “Enquanto comiam, Jesus tomou o pão e, abençoando-o, o partiu e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. E tomando um cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; pois isto é o meu sangue, o sangue do pacto, o qual é derramado por muitos para remissão dos pecados.” Aqui é a ceia celebrada com Cristo ainda presente corporalmente entre os discípulos.

Em 1 Coríntios 11:23-31 temos uma descrição mais detalhada do que se passou na comunhão citada em Mateus: “Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha. Portanto, qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem. Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados." (Ênfase minha)

Quando freqüentava a Assembléia de Deus, um dos cultos de santa ceia me chamou por demais a atenção. Aquela reverência toda mais parecia um funeral do que uma celebração pela lembrança da entrega de Jesus Cristo na cruz do calvário e sua ressurreição por nós, pois foi esse ato de amor de Deus que nos garante a certeza da vida eterna. A coisa toda começou depois da leitura do texto, que também vimos acima, de I Coríntios 11.

Logo após a leitura bíblica, o pastor “desembestou” a exortar quem poderia participar daquela ceia - realmente era a ceia dele, da igreja local, sei lá, mas certamente não a ceia que Jesus nos pede para que façamos em memória dele. E assim foi: “se você ainda não aceitou Jesus como seu Salvador, se você ainda não se batizou, se você ainda não é membro da igreja local ou de outra igreja evangélica, se você não está em plena comunhão com a sua igreja local, se você não é dizimista fiel, se você não está sob disciplina do seu pastor...”, ainda disparou alguns outros tiros, que nem me lembro mais, pois a essa altura me deu vontade de levantar e interromper o culto, pedindo que a Bíblia fosse lida novamente, pois a essa altura o rebanho já estava disperso, e parasse com a papagaiação. Continuou ele: “então você não pode participar da santa ceia do Senhor, ‘pois quem come e bebo sem discernir, come e bebe para sua própria condenação’ ”. Creio que o que realmente faltara para aquele pastor fora discernimento, só pode.

De onde aquele pastor tirara todos aqueles impedimentos? Em que Bíblia que ele lera aquelas pré-condições? Ou será que ele aprendera essa fala no seminário? Se foi, mande-se fechar esse seminário! Quem sabe tenha sido herança cerimonial, aprendida com um pastor mais velho, mais experiente, mas que também cometia os mesmos erros. Confesso que me entristeci no espírito e perguntei ao Senhor se era mesmo assim.

O pastor, ao invés de trazer os aspectos positivos daquele abençoado momento de Graça (como por exemplo, “se você ama a Jesus Cristo de todo o seu coração, independente de como está, participe da ceia dEle, pois é Ele quem lhe ama e lhe chama”), ele preferiu os argumentos negativos, impositivos, depreciativos. Um peso tão grande conferido aos membros, que é como se somente os líderes da igreja estivessem ao alcance - aptos - de poderem participar daquele momento sublime. Negam o que tem de mais nobre para a ovelha de Cristo, se agarrar a Ele, mesmo com todos seus pecados, pois nós todos temos e não podemos pagá-los. É como se o restante das ovelhas fossem inaptas para tanto. Ainda esse tipo de atitude pastoral, avilta o auto-julgamento que cada um de nós tem para se avaliar. Até parece que temos que passar primeiro pelo crivo pastoral, para depois participar da ceia. Mas a Bíblia ensina ao contrário: “Examine-se pois o homem a si mesmo...” (I Coríntios 11:28a)

Quem sabe eu não estava sendo “santo” o suficiente para entrar no padrão pastoral para tomar a ceia! Nesse período li e reli várias vezes o texto, tentando pedir ao Espírito Santo que me revelasse as coisas que estavam escritas na Sua Palavra, pois os vocábulos vindos do pastor eram contrários aos dEle! Após alguns minutos ouvi Deus falar comigo claramente “Não é isso que tenho para minha igreja e Eu não julgo como o homem julga”.

Participei daquela ceia chorando, mas não somente por relembrar os aspectos inerentes à comunhão com Cristo, mas agora sim por uma igreja professante de Jesus que tem líderes religiosos, legalistas, mais preocupados com a letra - nem que inventem algumas - do que com o Espírito que vivifica. Foi o tempo de comer e beber para sair e ir embora para chorar e orar a Deus pedindo por uma mudança na sua igreja.

O mais triste não é que a essa fala continua a se repetir através daquele mesmo pastor, mas outros se assemelham, fazendo o mesmo, quem sabe a fim de não desagradarem o pastor líder ou “atacar” aos dogmas - doutrina - daquela igreja. Não querem se quer fazer um esforço para agradar a Jesus Cristo, o alvo daquela prática – da ceia!

Estou cansado! Isso mesmo, sou crente, evangélico, protestante, seja lá como você queira me chamar, mas estou cansado de tantas doutrinas. É doutrina da Assembléia de Deus, da Batista, da Presbiteriana, da Metodista, etc. e muito pouco, quase nunca, uma “sã doutrina bíblica”. Parem de fazer da igreja invisível de Cristo uma instituição de homens! Parem! Chega!

Estou cansado de ver igrejas agirem dessa forma durante a ceia, sendo que não está na Bíblia essa conduta. Agora, em contraposição, preferem ficar falando, para não dizer gritando, em “línguas estranhas” nas orações “fervorosas” durante a ceia, coisa que a Bíblia proíbe que seja feito, a não ser que haja interpretação. Quem sabe creem que isso mostre mais espiritualidade! Ganha-se bônus com Deus. Querem impressionar a quem, a Deus com essa religiosidade toda?

Cansei de ouvir pastores e líderes ao orar dizer assim: “Querido Deus, porque em Mateus 5:5 diz...” Que bom que o livro, capítulo e versículo foram citados, caso contrário Deus poderia não se achar na Sua própria palavra ou não se lembrar dela! Que bobagem e tolice é essa! Ora-se assim para fazer satanás ouvir? Para impressionar a Deus ou aos irmãos, mostrando que se conhece a Bíblia, até os versículos? Primeiro, satanás conhece a Bíblia melhor do que você e eu. Segundo, Deus é o autor da Sua Palavra, portanto não diga para Ele o que disse, e não precisa lembrá-lo, porque Deus não é um velhinho lá em cima com Alzheimer. Terceiro, que se é só para impressionar irmão, isso é um hipócrita e legalismo dos mais sujos possíveis!

Não tenho nada contra o dom de línguas, em absoluto, até mesmo porque falo em línguas. Mas leia o que está escrito em I Coríntios 14, onde Paulo discute os dons espirituais. Ele faz o seguinte comentário: “E agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas, que vos aproveitaria, se não vos falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina?” (I Coríntios 14:6 ênfase minha).

De acordo com o Apóstolo Paulo e com as “línguas” descritas em Atos, falar em línguas é de grande valor para o que ouve a mensagem de Deus em seu próprio idioma, mas de nada serve para os demais, a não ser que haja uma interpretação, ou tradução. “Por isso, o que fala em língua desconhecida, ore para que a possa interpretar” (I Coríntios 14:13). Mas “Se alguém falar em línguas, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus. E falem dois ou três profetas, e outros julguem. Mas se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro”. (I Coríntios 14:27-31 ênfase minha)

Estas duas doutrinas sim são bíblicas e estão bem claras na Palavra de Deus, mas qual o motivo de não serem ensinadas e obedecidas? Por que exaltar doutrinas humanas outras? A benefício de quem?

Ore para que o Senhor faça a mudança que é necessária na sua igreja.

É isso aí. Fique na paz do Amado.

Escrito e publicado aqui por Éber Stevão

Nenhum comentário:

Postar um comentário