sábado, 21 de agosto de 2010

ABORTO - A POSIÇÃO DAS IGREJAS NO BRASIL

Este texto foi escrito por Alberto R. S. Monteiro.

O que mais, porém, está surpreendendo o povo brasileiro nesta campanha é o silêncio das igrejas e de seus pastores a respeito destes assuntos.

A maioria dos pastores está de acordo com a posição do bispo de Guarulhos, mas simplesmente tem receio de tomar uma posição pública clara. Os fiéis esclarecidos, uma multidão em todas as igrejas, está acompanhando de perto o comportamento de seus pastores.

Percebem, com evidente perplexidade, o quanto estão distantes da atitude profética adotada na época da ditadura, que tanto causou admiração em todo o mundo, quando prelados de coragem como Dom Paulo Evaristo Arns e Dom Oscar Romero não tinham receio de denunciar os crimes ocultos das ditaduras.

Agora, que estamos em uma democracia e tudo está devidamente documentado, os mesmos pastores não encontram a coragem de dizer claramente aquilo com que concordam, mas que os meios de comunicação e os próprios candidatos ocultam de seus fiéis.

A atitude das igrejas e de seus pastores tornar-se-á um marco histórico. Em pouco tempo ficará claro o que terá acontecido e então de que terá valido pedir desculpas pelas omissões de não haver denunciado o nazismo no século passado?

Exatamente neste momento, através de um jogo de mentiras, desproporcional até mesmo para os padrões da história política brasileira, pretende-se introduzir a Cultura da Morte em nosso país enquanto os pastores, de quase todas as igrejas, aos quais cabe por ofício serem testemunhas da verdade, omitem-se de seu dever de esclarecer os fiéis, quando bastaria uma palavra para que viesse à luz do dia a realidade dos fato.

Fique por dentro do que pode acontecer para que não façam, como fizeram milhares de pastores e padres alemães. Hitler tinha 84% da popularidade. Lula tem 80% de popularidade. Será mera coincidencia, ou manipulação de massas?

Grande parte dos cristãos brasileiros hoje pensam como o pastor luterano Martin Niemöller, quando a Alemanha estava sob o domínio nazista. Na prisão proferiu a conhecida frase, em 1933,:

“Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei.

No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei.

No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei.

No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar…”
Publicado aqui por Éber Stevão

Nenhum comentário:

Postar um comentário