domingo, 11 de abril de 2010

PREGANDO A CRISTO, ENTREGANDO ALIMENTOS E ORANDO PELOS POBRES NA FAVELA PAROLIN, CURITIBA-PR

Foto 1. Éber ao lado do missionário Jim Sim, Escocês, que mora hoje em Houston, Texas - EUA, ajudando a traduzir as palavras do missionário para uma das famílias pobres visitadas na favela Parolin, Curitiba - PR.

Foto 2. Porta de entrada para a casa da família moradora da favela Parolin, Curitiba - PR.

Foto 3. Quintal dessa família visitada na favela.

Foto 4. A mãe da família ouvindo sobre o amor de Jesus Cristo pelos pobres.

Foto 5. Oração pela mãe da família por ter aceito a Jesus Cristo como seu Salvador pessoal e pelo seu filho ao fundo.

João Calvino, na constituição da Igreja Reformada da Genebra, em 1541, determinou que os diáconos deveriam ser os responsáveis na igreja por ajudar os pobres. Leu a Novo Testamento, mas infelizmente entendeu muito mal sobre essa responsabilidade. Vamos olhar cuidadosamente a quem verdadeiramente pertence essa incumbência.

Grande parte do ministério do Senhor Jesus foi dedicado aos pobres, oprimidos, necessitados, samaritanos, leprosos e viúvas. Incrivelmente, os religiosos judeus não mais se importavam com eles. Leia Lucas 4:18-19, Lucas 21:1-4, Lucas 17:11-19, João 4:1-42, Mateus 8:2-4, Lucas 17:11-19, Lucas 7:11-15 e Lucas 20:45-47. Jesus tinha uma maneira muito peculiar de severamente condenar aqueles que se apegavam aos bens materiais e negligenciavam os pobres. Leia Marcos 10:17-25; Lucas 6:24-25; Lucas 12:16-20; Lucas 16:13-15, Lucas 16:19-31.

Cristo Jesus espera que seus seguidores generosamente deem aos necessitados, conforme está em Mateus 6:1-4. Jesus não só falava, mas praticava o que ensinava. Nas suas viagens, ele levava uma bolsa da qual tirava dinheiro para dar aos pobres. Isso está em João 12:5-6 e João 13:29. Jesus colocou uma exigência para poder entrar no Reino do Pai Celeste, e esse quesito é ser generoso com o próximo que passa fome e sede. Ler Mateus 25:31-46.

A igreja primitiva tinha profunda solicitude pelos necessitados. Paulo, foi um dos que, representando a igreja em Antioquia da Síria, levou a Jerusalém uma oferta aos irmãos carentes da Judéia. Isso está em Atos 11:28-30.

Em outra situação na história da igreja primitiva, para aqueles que estavam se convertendo ao cristianismo, e sabendo que a Paulo havia sido confiado o evangelho da incircuncisão, vemos que os seus líderes apenas recomendaram a Paulo, Barnabé e Tito que eles lembrassem dos pobres, e ele fiz isso com diligência, conforme ficou registrado em Gálatas 2:10.

Paulo teve como um dos objetivos da sua terceira viagem missionária, a coleta de dinheiro "para os pobres dentre os santos que estão em Jerusalém", conforme relatado em Romanos 15:26. Pelo fato da igreja de Corinto não contribuir, Paulo os exortou a respeito da ajuda aos pobres e necessitados na sua segunda carta aos Coríntios 8:9.

Ainda, na carta aos Romanos, o apóstolo Paulo atribui a capacidade de se contribuir com generosidade às necessidades da obra de Deus e de seu povo, como um dom do Espírito Santo. Ler Romanos 12:8 e 1 Timóteo 6:17-19.

Portanto, podemos entender que o cuidado aos pobres e necessitados deve ser de todos os irmãos em Cristo. Jesus, em Mateus 25:40,45, equiparou as dádivas dadas aos irmãos na fé como se fossem a Ele mesmo.

Lendo os versículos citados acima, é possível perceber que a igreja primitiva se importava totalmente com as pessoas, a tal ponto que os seus membros repartiam suas posses entre si, a fim de suprir as necessidades uns dos outros, segundo o texto de Atos 2:44,45 e Atos 4:34-37.

Paulo declara explicitamente qual deve ser o princípio da comunidade cristã: "Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé" (Gálatas 6:10). Deus quer que os que têm em abundância compartilhem com os que nada têm para que haja igualdade entre o seu povo. Ler 2 Coríntios 8:14,15, Efésios 4:28 e Tito 3:14.

É isso aí, fique na paz.

Escrito e publicado aqui por Éber Stevão

Um comentário: