segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

PASTORES DA IGREJA UNIVERSAL DO REINO DE DEUS MISTURAM ELEMENTOS DOS CULTOS AFRO NOS CULTOS CONHECIDOS COMO TERÇA-FEIRA DO DESCARREGO

O texto abaixo foi escrito por Élcio Braga e publicado no Jornal O Dia em 06/08/2001. O pior é que as heresias na Igreja Universal estão se expandido cada dia mais. Veja minha postagem intitulada: "NOVAS HERESIAS DA UNIVERSAL; É DE ACABAR MESMO! Ô POVINHO LAZARENTO ESSE!" Leia até o fim, é interessante.


Entre o terreiro e o altar

COPO d’água sobre a mesa, como no centro espírita
Um homem todo de branco comanda o culto, cercado por pomba-giras, exus e pretos-velhos. Os auxiliares também se vestem do branco mais puro e acreditam nos poderes do sal grosso e do galho de arruda. Que religião é essa? Ihih, se vossuncê, respondeu umbanda, está errado, mizim fio. O culto – bata a cabeça – é da Igreja Universal do Reino de Deus. Saravá.

A Sessão do Descarrego – esse é o nome propagado pela própria igreja – faz sucesso às terças-feiras, na Catedral da Fé, na Avenida Dom Helder Câmara, Del Castilho. É o momento, pregam os pastores, de retirar os encostos dos fiéis. No culto das 20h, perto de 16 mil fiéis lotam a magnífica catedral. A multidão comparece em massa ainda às sessões das 11h30 e das 15h.

Bruxa teria ameaçado invadir templo da Universal

As sessões começaram a tomar corpo dois meses atrás. As ameaças de uma suposta bruxa, levadas ao ar no programa Fala Que Eu Escuto, na TV Record, chamaram a atenção. A bruxa seria uma mãe-de-santo, revoltada pela apropriação de costumes da macumba. Ela prometia invadir o culto para enfrentar o pastor, que, por sua vez, dizia estar preparado para o embate “em nome do Senhor”. A macumbeira, porém, nunca deu as caras. Mas a audiência foi aos céus.

Procurado pela reportagem do DIA para falar sobre a Sessão do Descarrego, o bispo Romualdo Panceiro, ex-pedreiro e hoje responsável pela Universal no Rio, não retornou as ligações nem respondeu às perguntas enviadas por e-mail. Esquivou-se da reportagem como o diabo foge da cruz.

Cor aproxima duas crenças antagônicas

Os termos e o comportamento dos pastores se assemelham aos costumes típicos dos terreiros. O branco, a exemplo do que ocorre nas sessões espíritas, predomina. Afinal, é a cor da paz (harmonia!), da alma gêmea (romântico!) e dos hospitais (solidário!). É uma cor de fé.

Os pastores usam também um copo com água sobre a mesa para falar com os fiéis. Outro costume típico dos espíritas. Recomendam o uso do sal grosso e da arruda para cortar o mal. São armas usadas para despachar o demônio para o quinto dos infernos. Os evangélicos da Universal, porém, estão longe de fazer despachos com galinha preta e farofa. Demonstram apenas alguns pontos em comum entre as crenças. O que se percebe em cores vivas é que o palco da maior batalha entre o bem e o mal continua a ser a mente.

Babalorixá e padre criticam

O ambiente ficou carregado. A atuação dos pastores de branco é vista com desconfiança. “Só falta os evangélicos usarem atabaques”, ironiza o babalorixá Paulo de Oxalá, contrariado com a apropriação dos costumes da umbanda e do candomblé.
O diretor do Centro Latino-Americano de Parapsicologia (Clap), o padre Oscar Gonzalez-Quevedo, 68, garante que na Sessão do Descarrego da Universal não se exorcizam demônios. Quevedo explica que, em geral, os casos de possessões seriam fenômenos parapsicológicos. Os fiéis manifestariam por sugestão reações associadas a endemoniados. “É uma heresia de uma seita”, constata.

O presidente do centro Fraternidade Espírita Irmãos de Cascais, Franklin Moreira, 59, vê com bons olhos a postura dos pastores da Universal. A providência divina está trabalhando sobre eles”, observou o espírita. Seria o mesmo sincretismo que no passado permitiu a passagem de católicos para a umbanda. “Os pastores já falam em desobsessão e em encostos”, destaca.

A Universal é uma igreja de campanha. Realiza, além da campanha do descarrego, a da prosperidade, dos empresários e da fogueira santa de Israel (quando se queimam pedidos).

Exu Caveira no altar da igreja

Os cultos da Terça-Feira do Descarrego, que também acontecem em alguns templos da Universal, são impressionantes. Na Catedral da Fé, a multidão participa cantando para expulsar supostos demônios. Ao palco, são chamados aqueles que acreditam estar com algum mal. Mais de 50 aceitam o convite. Alguns começam a andar e a falar ao melhor estilo das entidades dos cultos afros, como se estivessem possuídos.
Vários pastores, todos de branco, sobem também ao palco e começam a – supostamente – expulsar “os demônios”. Ao mesmo instante, toca uma música envolvente, acompanhada pela animada platéia. Para o final, ficam costumeiramente duas ou três pessoas, aparentemente incorporadas. “Eu sou Exu Caveira, ahahaha”, berra uma delas, com voz cavernosa. Um dos pastores, com o microfone na mão, seguido por fotógrafo e cinegrafista, manda o espírito deixar a pessoa em paz. A platéia delira.

No passo dos macumbeiros

Sal grosso – Em alguns rituais, fiéis da Universal usam o sal grosso para desfazer as amarrações do diabo. Na revista Plenitude (publicação da Universal), por exemplo, é jogado sal nos cantos da redação quando o ambiente está muito tenso.

Enxofre – Nos cultos, usam ainda enxofre e arruda para afastar os encostos.
Rosa ungida – Os pastores recomendam aos fiéis pôr rosa ungida na parte mais alta dos móveis. Nas orações, o fiel deve lançar sobre a rosa todas as maldições que houver em casa, como as de feitiçaria. As rosas são distribuidas de casa em casa durante o evangelismo de rua.

Copo com água – Na conversa com os fiéis, os pastores colocam um copo com água cristalina sobre a mesa. É também um costume nos centros espíritas.
Roupa branca – Os pastores usam calça e blusa brancas. A roupa branca é típica dos pretos-velhos. É também a cor preferida pelos espíritas.

Terça-feira do Descarrego. É o nome da campanha contra os encostos que acontece em sessões às 11h30, 15h e 20h, na Catedral da Fé, em Del Castilho. Descarrego (purificação) e encosto (incorporação) são termos comuns na umbanda e candomblé.

Ao vivo

Frases do bispo Romualdo Panceiro sobre a Terça-Feira do Descarrego (no programa Fala que Eu Te Escuto, na TV Record):

Cena 1 – O bispo começa o programa alertando sobre o mal: “É muito fácil detectar o mal, o espírito encostado na vida da pessoa. Não que a gente esteja vendo espírito. Mas pelos acontecimentos (...) Uma pessoa que tem dores de cabeça constante (...), o problema é espiritual.”

Cena 2 – O alerta continua: “Você, por exemplo, que tem tudo para ser feliz no amor, mas vem sofrendo decepções. A sua vida sentimental é uma vida de decepções. Você que vive em meio a uma briga na sua casa, o marido bebendo, os filhos nas drogas. Não tenha dúvida que isso aí são sintomas que caracterizam a presença de um encosto.”

Cena 3 – Uma telespectadora conta que tem uma ferida na perna há nove anos. “Essa ferida na perna, não há dúvida, é um encosto”, afirma Panceiro.


Aqui ficam algumas perguntas: Esses que são da Universal são evangélicos? E se são, com que intuito servem de escândalos para que os ímpios critiquem aos evangélicos?

É bom que se diga em alto e bom som: os evangélicos são aqueles que vivem de acordo com o Novo Testamento e aceitam o Velho Testamento como Palavra Escrita de Deus. Creem em Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador, vivem pela Graça e por Graça; SÓ, PONTO FINAL e NADA MAIS.

Esses dirigentes do negócio "Igreja Universal do Reino de Deus", pois ela não é a Noiva de Jesus Cristo, nem a paulada (O Senhor Jesus não teria parte com uma prostituta), são apenas mandingueiros da fé que misturam religiões, macumba, sincretismo e idolatria com algumas pitadas de versículos bíblicos, e quem sabe um pouquinho de pó de piriri, como dizia o velho e saudoso pastor João Luiz, conhecido como o João Sambeiro.

Eu nada tenho com eles!

Publicado aqui por Éber Stevão

Nenhum comentário:

Postar um comentário