quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

LIBERTANDO-SE DOS MESQUINHOS DA FÉ!

“Depois, passados quatorze anos, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também comigo Tito. E subi por uma revelação, e lhes expus o evangelho, que prego entre os gentios, e particularmente aos que estavam em estima; para que de maneira alguma não corresse ou não tivesse corrido em vão. Mas nem ainda Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se; e isto por causa dos falsos irmãos que se tinham entremetido, e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão; aos quais nem ainda por uma hora cedemos com sujeição, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós. E, quanto àqueles que pareciam ser alguma coisa (quais tenham sido noutro tempo, não se me dá; Deus não aceita a aparência do homem), esses, digo, que pareciam ser alguma coisa, nada me comunicaram; antes, pelo contrário, quando viram que o evangelho da incircuncisão me estava confiado, como a Pedro o da circuncisão.” (Gálatas 2:1-7)

Uma coisa tenho a dizer claramente, não suporto mais as comunidades evangélicas e a grande maioria das igrejas cristãs. Estou literalmente cansado dessa crentaiada que anda por aí confundindo fé com mandinga evangélica (como se houvesse tal coisa). Sem falar nos pastores insuportáveis, mesquinhos, arrogantes, controladores, robotizadores e robotizantes, pregadores de legalismo, de ‘esquemas’ espirituais (nenhum bíblico porque nem mesmo existem) para as ovelhas de Cristo alcançarem a graça (imerecida) desse mesmo Jesus que parecem pregar, coisas pelas quais eles, até mesmo, ‘morreriam’ para defender, mas não pela liberdade que fomos chamados em Cristo Jesus.

São heresias das mais variadas que se possa imaginar: ensinam eles que se você for para uma praça pública distribuir folhetos com mensagem cristãs, se sacrificar um pouco da sua vida, se for batizado, se contribuir com o seu dinheiro, de der o dízimo do seu salário (pura lei Mosaica aos judeus), se frequentar inúmeros cultos e todas as reuniões, então esses esforços irão fazer com que Deus sorria para você (e ainda citam erroneamente a bíblia – ‘Pois a alegria do Senhor é a nossa força’), e então, só então, você passará a fazer parte do seleto rol de “crentes” dos quais eles já fazem parte há muito. Quanta bobagem!

Esses mesmos que se cognominam “homens de Deus”, são pastores daninhos que preferem agradar a homens. Outrora leram as palavras de Paulo, mas nunca lhes caíram ao coração: “Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? Ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.” (Gálatas 1:9-10)

Sei que existem, mas não sei onde se encontram os profetas de Deus para delatarem essas heresias que tem afluído nas igrejas, aos homens e mulheres tementes ao Senhor Jesus. Quero me juntar a eles e não irei deixar de denunciar aqui no blog toda essa falsidade cristã.

É impressionante reparar no texto de Gálatas citado acima que o apóstolo Paulo teve que ‘expor o evangelho’ que pregava aos líderes da cristandade. Em outras palavras, teve que pregar o evangelho da graça para eles.

Esse texto abaixo, escrito por Eugene H. Peterson é muito interessante e me agrada:
“Há pessoas que não querem nossa liberdade. Elas não querem que sejamos livres diante de Deus, aceitos como somos pela sua graça. Elas não querem nossa liberdade para expressar a nossa fé de modo original e criativo no mundo. Elas querem controlar-nos; querem usar-nos para seus propósitos. Elas se recusam a vier árdua e abertamente na fé, mas se juntam a alguns outros e tentam obter um senso de aprovação, insistindo que todos se pareçam, falem e ajam do mesmo modo, validando assim seu mérito mútuo. Esses indivíduos tentam aumentar em número apenas sob a condição de que os novos membros ajam, falem e se comportem como eles. Os tais se infiltram nas comunidades de fé para ‘espreitar a nossa liberdade que temos em Cristo Jesus’ e com freqüência encontram meios de controlar, restringir e reduzir a vida dos cristãos livres. Sem perceber, ficamos ansiosos sobre o que os outros dirão a nosso respeito, obsessivamente preocupados com o que os outros acham que devemos fazer. Não vivemos mais as boas-novas, mas tentamos ansiosamente memorizar e recitar o roteiro que alguém nos designou. Numa circunstância dessas podemos nos sentir seguros, mas não seremos livres. Podemos sobreviver como uma comunidade religiosa, mas não experimentaremos o que significa ser humanos, vivendo em fé e amor, expansivos em nossa esperança. O comportamento conformado e autocongratulatório não é livre. Mas Paulo diz: ‘nem ainda por uma hora cedemos com sujeição, para que a verdade do evangelho, permanecesse entre vós’. Cada indivíduo livre, que se beneficia da coragem de Paulo, irá continuar vigilante no movimento de resistência formado por ele. (Traveling light, p. 67)

Nesse movimento de resistência aos mesquinhos da fé, quero me unir a Mike Yaconelli que escreve assim:
“As pessoas mesquinhas são feias. Elas perderam a sua visão. Desviaram os olhos daquilo que importa e se concentraram, em lugar disso, naquilo que não importa. O resultado é que o resto de nós fica imobilizado com sua obsessão. Está na hora da igreja livrar-se da mesquinharia. Está na hora da igreja recusar-se a ser uma vítima dos mesquinhos. Está na hora da igreja deixar de pretender que a mesquinharia não tem importância... A mesquinharia tornou-se uma doença séria na Igreja de Jesus Cristo – uma doença que continua a resultar em casos terminais de discórdia, divisão e destruição. As pessoas mesquinhas são perigosas porque parecem ser apenas um aborrecimento em lugar do que realmente são – um risco à saúde.” (The Wittenburg Door, 1984/Jan. 1985)

Escrito e publicado aqui por Éber Stevão

Nenhum comentário:

Postar um comentário