domingo, 24 de maio de 2009

UMA ANÁLISE DO LIVRO "UMA VIDA COM PROPÓSITOS" Rick Warren - Parte V

Uma Análise do Livro "Uma Vida Com Propósitos" de Rick Warren

Dia quatro - Criado Para Ser Eterno
Por Scott Mooney

Warren continua no tema da eternidade. Este capítulo se inicia com o ponto "Esta vida é uma preparação para a próxima."(p.36). Ele argumenta que uma vez que fomos feitos à imagem de Deus, então, como Deus, fomos designados para viver por toda a eternidade. Mas então ele questiona, "Embora saibamos que com o tempo todos morreremos, a morte sempre parece anormal e injusta." (p.37). Aqui está uma clara indicação, como se neste ponto qualquer outra indicação fosse necessária, que Warren ainda não chegou a uma decisão definida a respeito do pecado. Ele está completamente atado à dialética Humanista: a realidade universal e inevitável da morte, que todavia nos "parece anormal e injusta."

Vida eterna é o ideal original da Criação para o ser humano. Morte é o juízo devido ao pecado. O Humanista não aceitará isto, e então deve explicar a morte em outros termos. O Humanista Naturalista diz que a realidade observada constitui a ordem natural das coisas. Assim, para ele, a morte é natural e, portanto, é uma perplexidade como seu indomável instinto luta contra ela. O Humanista Espiritualista diz que a realidade observada é uma ilusão. Para ele, também, a morte é natural e, portanto, é uma perplexidade como a vida pode significar qualquer outra coisa além de um período de incubação para o que está do outro lado. Somente o Cristianismo declara que a morte é inimiga (I Coríntios 15:26).

Para Warren, a morte "parece inatural e injusta", contudo, ele fracassa ao explicar porque isso seria assim. Toda a idéia de morte como um juízo devido ao pecado, e portanto inteiramente justa, parece lhe escapar. Ele também elabora "Assim como os nove meses que você passou no útero de sua mãe não tinham um fim em si, mas eram uma preparação para a vida, também a vida é uma preparação para o que vem a seguir." (p.39). Este comentário diz praticamente o mesmo que o Humanista Espiritualista diz: que a morte é na realidade um "nascimento" para a próxima vida. Warren flerta diretamente com a idéia Humanista. Sua Doutrina da Criação é dolorosamente deficiente, como "deus" não pode ser o Deus do Cristianismo se o fato central da vida humana é a alicerce do significado de toda a existência, se o Homem determina por si mesmo tolerar ou não uma relação com esse "deus", se o Homem está equipado para "descobrir" qualquer coisa que escolhamos para caracterizar como "deus" revelado, e se o que o Homem "descobre" se torna então o padrão e alicerce de sua vida. Também, sua Doutrina do Pecado é quase interamente ausente, como já vimos. No máximo a sua concepção de pecado dá a Deus algum crédito por ser maior, mais forte e mais esperto que o homem. Pecado, nesta visão, nos retira da presença de Deus, de modo que não temos mais acesso a Seus recursos superiores. Não possuindo uma idéia verdadeiramente bíblica de Criação e Pecado, é então impossível ter uma idéia verdadeiramente bíblica sobre Redenção. Vimos a definição de Warren para Redenção como um "novo início" em sua vida. Contudo, aqui sua ênfase é na Eternidade.

Warren declara que "Seu relacionamento com Deus na terra, determinará seu relacionamento com Deus na eternidade. Se aprender a amar Jesus, o Filho de Deus, e confiar nele, você será convidado a passar o resto da eternidade com ele."(p.37). Contudo, Warren ainda tem que explicar como é que a critura pode determinar algo para o Criador. Ele declarou no Dia Um que por sua própria iniciativa alguém pode iniciar um relacionamento com Jesus, mas não acolheu a questão do por que alguém poderia estar sem tal relacionamento em primeiro lugar. No Dia Três ele indicou que podemos estar sem um relacionamento com Deus devido ao pecado, mas caracterizou o remédio para este problema como um "novo início". Agora ele vai além disso - sem se importar com as pontas soltas - declarando que pelo estabelecimento de tal relacionamento também determinamos nosso destino eterno. Nestas linhas ele também diz "Os atos desta vida definem o destino na próxima." (p.40). De acordo com Warren, uma pessoa pode executar certas funções, ou completar certas tarefas, e como resultado - e como recompensa - um convite será estendido a ele para se juntar a Cristo na eternidade. Aqui vemos mais dramaticamente uma idéia distorcida de Redenção conforme requerida por idéias distorcidas de Criação e Pecado.

A idéia verdadeira e bíblica destas coisas é que Deus, o Criador, criou uma realidade separada e distinta de Si mesmo, e soberanamente determina todas as facetas e aspectos desta realidade criada; Pecado é a negação deste fato e rebelião deliberada contra Deus e Sua Lei, trazendo a ira de Deus e a pena de morte sobre o pecador; e Redenção é a iniciativa de Deus, que "...prova Seu amor conosco, em que Cristo morreu por nós sendo nós ainda pecadores." (Romanos 5:8), significando que em Sua morte Cristo tomou a culpa por nossos pecados e o juízo de morte sobre si mesmo em nosso favor. O Evangelicalismo sempre reverte a verdade bíblica destas coisas. Sempre somos ensinados que se fizermos algo - orarmos, aceitarmos um dom, abrirmos uma porta - então em recíproca a isto Deus nos fará alguma coisa - nos perdoará os pecados, resolverá nossos problemas e nos convidará para o céu. Warren se adapta a esse molde quando diz que nosso convite para o céu depende primeiramente de aprendermos a amarmos e confiarmos em Jesus. Biblicamente, estamos mortos no pecado e inaptos para amar e confiar em Jesus a menos que, e até que o Espírito Santo desperte nossos corações e nos ministre a Redenção de Deus. Nosso convite para o céu - se, de fato podemos chamar adequadamente assim a Redenção - não é o resultado ou recompensa por nossa decisão de iniciarmos um relacionamento com Jesus; é o único motivo e base de nosso relacionamento com Jesus.

Dados os termos nos quais Warren vê estas coisas, pouco nos surpreende o modo como ele vê a justaposição de realidade temporal e eternal. "A vida é apenas um ensaio geral, antes da verdadeira produção... A terra é um lugar de preparação, a pré-escola, o vestibular para sua vida na eternidade."(p.36). Conforme Warren caracteriza isso, não apenas é nossa a iniciativa para começarmos um relacionamento com Jesus, mas também é nosso o fardo de passarmos por este ensaio oficial com sucesso, de modo que possamos receber um convite para a festa dos atores. Biblicamente, eternidade é a culminação do que Deus está fazendo na realidade temporal, não do que nós estamos fazendo. Deus deseja "...congregar em Cristo todas as coisas... tanto as que estão nos céus como as que estão na Terra" (Efésios 1:10). Nossa tarefa é confessar a Ele, adorá-Lo, e dar graças a Ele por todas as coisas, crer em Sua Palavra procurar Sua Graça para obedecê-la e viver por ela. Nossas vidas neste mundo não nos qualificam para usufruirmos a eternidade com Deus; a Graça eternal de Deus nos qualifica a viver de acordo com Deus neste mundo. A cada dia Warren diverge mais da sabedoria bíblica.

-------------------------------------------------------------------------------------------------
Fonte: http://purposejourney.blogspot.com

Traduzido por Renato Tavares em julho/2008, mediante autorização expressa do autor.

Escrito aqui e publicado por Éber Stevão

Nenhum comentário:

Postar um comentário